Germinação de sementes e crescimento inicial de plântulas de nabo forrageiro sob condições salinas

Guilherme Cardoso Oba; Laira Rodrigues Ferreira; Rodrigo Kelson Silva Rezende; Daiane Mugnol Dresch; Armindo Neivo Kichel

  • Guilherme Cardoso Oba
  • Laira Rodrigues Ferreira
  • Rodrigo Kelson Silva Rezende
  • Daiane Mugnol Dresch
  • Armindo Neivo Kichel
Palavras-chave: Salinidade; potenciais osmóticos; Raphanus sativus L.; respostas fisiológicas.

Resumo

A salinização nos solos pode afetar a germinação, crescimento e a sobrevivência das plântulas. Diante disso, o objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito do estresse salino induzido por soluções de cloreto de cálcio (CaCl2), cloreto de potássio (KCl) e cloreto de sódio (NaCl) em diferentes concentrações na germinação e crescimento inicial de plântulas de nabo forrageiro (Raphanus sativus L.). Sementes da cultivar CATI AL - 1000 foram submetidas às soluções de CaCl2, KCl e NaCl, sob os potenciais osmóticos de 0,00; -0,02; - 0,04; -0,06 e -0,08 MPa. Foram avaliados: a germinação, primeira contagem, índice de velocidade de germinação de sementes (IVG), comprimento da raiz primária (CRP), comprimento da parte aérea (CPA), comprimento total (CT), massa fresca total (MFT) e
massa seca total (MST) de plântulas. Houve redução da germinação quando as sementes  foram submetidas ao CaCl2, não sendo verificado efeito negativo do KCl e NaCl nas concentrações avaliadas. O CRP das plântulas apresentou redução linear conforme o aumento da salinidade. O CPA e o CT das plântulas foram menores quando estas foram submetidas ao CaCl2. Nas condições do presente estudo, a germinação e crescimento de plântulas de nabo forrageiro é mais afetada pelo CaCl2 que pelo NaCl e KCl. Baixas concentrações de NaCl e KCl, acerca de -0,05 MPa, podem favorecer a porcentagem e a velocidade de germinação das sementes, embora o acúmulo de biomassa fresca, quando submetida ao NaCl, e o crescimento da raiz primária tenham sido prejudicados pela salinidade.

Publicado
2021-01-18