Influência de inseticidas sobre a germinação e vigor de sementes de milho após armazenamento

Elvis Ribicki Lorenzetti; Éric Renosto Rutzen; Joselito Nunes; Mauro da Silva Crepalli; Paulo Henrique Peruzzo de Lima; Renato Alexandre Malfato; Wilian Cassol de Oliveira

  • Elvis Ribicki Lorenzetti
  • Éric Renosto Rutzen
  • Joselito Nunes
  • Mauro da Silva Crepalli
  • Paulo Henrique Peruzzo de Lima
  • Renato Alexandre Malfato
  • Wilian Cassol de Oliveira
Palavras-chave: Imidacloprido Tiodicarbe; Thiametoxan; Fipronil

Resumo

Atualmente o tratamento de sementes com inseticidas na cultura do milho (Zea mays) se faz necessário para controle das principais pragas que atacam a cultura logo após a semeadura. Essa prática proporciona uma proteção eficiente do stand, entretanto, deve-se conhecer a influência desta sobre a qualidade fisiológica das sementes. Este trabalho teve o objetivo de avaliar a influência dos inseticidas Cropstar® (Imidacloprido + Tiodicarbe), Cruiser® 350FS (Thiametoxan), Standak® (Fipronil) e um controle (sem tratamento) sobre a germinação e vigor das sementes do milho hibrido CD 397 YG, as quais após o tratamento, foram armazenadas em temperaturas entre 20 a 30 °C e UR ± 60% durante os períodos de 0, 14, 28 e 42 dias. Os testes de germinação e vigor foram realizados no laboratório de sementes da COODETEC em Cascavel - PR. Utilizou-se o delineamento experimental DIC em esquema fatorial 4 x 4, com 5 repetições para cada tratamento. De acordo com o teste de Tukey a 5% de probabilidade, houve diferenças significativas na germinação e no vigor das sementes, sendo que não houve diminuições significativas apenas com zero dia de armazenamento. Portanto, recomenda-se realizar o tratamento de sementes próximo ao dia da semeadura.

Publicado
2020-12-16