Incrustação de mexilhão dourado Limnoperna fortunei em tanques-rede

Juliana Mara Costa; Cleiton Manske; Arcângelo Augusto Signor; Júnior Dasoler Luchesi; Aldi Feiden; Wilson Rogério Boscolo

  • Juliana Mara Costa
  • Cleiton Manske
  • Arcângelo Augusto Signor
  • Júnior Dasoler Luchesi
  • Aldi Feiden
  • Wilson Rogério Boscolo
Palavras-chave: Bioacumulação; ecologia; produção natural.

Resumo

O presente trabalho teve por objetivos avaliar a incrustação e parâmetros corporais do mexilhão dourado (Limnoperna fortunei) em malhas de tanques-rede. O experimento foi composto por 12 tanques-rede, sendo seis destes povoados com 200 jundiás (Rhamdia sp.) m- 3 e seis vazios. Foram avaliados o número de indivíduos, peso (g), comprimento (mm), largura (mm) e altura (mm), durante quatro meses. De maneira geral, os tanques com peixes apresentaram maior intensidade de incrustação do mexilhão dourado quando comparado aos tanques vazios, porém, estes apresentaram menores valores de proporções corporais.

Publicado
2020-12-11