Cultura do Pinhão Manso, aspectos tecnológicos e econômicos para a produção de biodiesel

Fábio Boligon; Reginaldo Ferreira Santos; Reinaldo Aparecido Bariccatti; Igor Eduardo Lunelli; Augustinho Borsoi; Octavio Henrique Viana

  • Fábio Boligon
  • Reginaldo Ferreira Santos
  • Igor Eduardo Lunelli
  • Reinaldo Aparecido Bariccatti
  • Augustinho Borsoi
  • Octavio Henrique Viana
Palavras-chave: Oleaginosa; biodiesel; agricultura familiar.

Resumo

 O Pinhão-manso (Jatropha curcas L.), pertencente à família das Euforbiáceas e de origem pouco conhecida, é uma oleaginosa, de ciclo perene, bastante rústica e que se adapta facilmente a situações adversas de clima, solo como baixa fertilidade e estresse hídrico. Caracteriza-se como um arbusto de crescimento rápido, com altura média de dois a três metros, podendo chegar à altura máxima de cinco metros. Em países da África, Ásia e América Latina existem programas de incentivo à exploração desta cultura, cujo fruto além de ser utilizado para fins medicinais, apresenta bom teor e qualidade de óleo para utilização na produção de biocombustíveis. É uma alternativa ao combustível de petróleo e ainda atuando como uma alternativa também na ampliação do desenvolvimento rural principalmente em regiões áridas e semiáridas onde a pobreza do solo é maior, permitindo que a população carente e dependente da agricultura familiar desfrute de suas vantagens econômicas. Possui bom teor de óleo, até 42% e potencial produtivo de até 6.000 kg ha-1. O seu óleo não é comestível, mas de excelente qualidade para uso industrial. É uma espécie pouco difundida e muito carente de informações agronômicas e recomendações técnicas de cultivo, necessitando de maiores investimentos para melhoramento de sua qualidade e potencial produtivo.

Publicado
2020-12-09