Levantamento etnobotânico de plantas medicinais na cidade de Cascavel, PR

Rosane Krohling Lira; Flávia Fiorese; Mariéli Lira Rodrigues; Talita Sayuri Kimura Júlio

  • Rosane Krohling Lira
  • Flávia Fiorese
  • Mariéli Lira Rodrigues
  • Talita Sayuri Kimura Júlio
Palavras-chave: Entrevistas; doenças; utilização.

Resumo

Já na antiguidade, os homens utilizavam-se de recursos naturais para propiciar melhores condições de vida, aumentando suas chances de sobrevivência. As plantas eram utilizadas como alimentos, matéria-prima para a produção de roupas e ferramentas, combustível para o fogo e remédios. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento etnobotânico sobre o uso de plantas medicinais, bem como, suas finalidades, pela população da cidade de Cascavel localizada no Oeste do Paraná. Foram aplicados questionários com 10 (dez) questões cada, envolvendo respostas diretas sobre o assunto abordado, como a freqüência de uso de plantas medicinais, quais e para qual finalidade, local de obtenção, indicações e resultado obtido. A partir das entrevistas realizadas, foi possível traçar o perfil da população estudada, cuja idade variou dentro da seguinte proporção: de 20 a 30 anos, 16% (4); de 31 a 40 anos, 16% (4); 41 a 50 anos, 32% (8); de 51 a 60 anos, 20% (5); de 61 a 70 anos, 12% (3); de 71 a 80 anos, 4% (1). A maioria dos usuários utiliza-se das plantas para o tratamento de distúrbios gastrointestinais, sendo que as mais citadas foram Plectranthus barbatus (Boldo), Matricaria recutita (Camomila) e Achyrocline satureioides (Marcela).

Publicado
2020-12-09