O silício é eficiente no controle da severidade de Phakopsora pachyrhizi na cultura da soja?

Antonio Nolla; Gaspar Henrique Korndörfer; Ernane Miranda Lemes; Tiago Roque Benetoli da Silva

  • Antonio Nolla
  • Antonio Nolla
  • Gaspar Henrique Korndörfer
  • Ernane Miranda Lemes
  • Tiago Roque Benetoli da Silva
Palavras-chave: Incidência de doenças; silicato de cálcio; fitoalexinas; ferrugem asiática; glycine max.

Resumo

A severidade de doenças nas plantas reduz o rendimento das culturas comerciais. Apesar da utilização, em larga escala, de defensivos para o controle de doenças, estudos demonstram que o silício é eficiente no controle da severidade de doenças, reduzindo a necessidade de utilização de produtos químicos. Em plantas dicotiledôneas como a soja, o silício pode aumentar a síntese de fitoalexinas, as quais agem como substâncias inibidoras ou repelentes, além de ativar o mecanismo de defesa vegetal ao estresse causado pelas doenças. Objetivou-se estudar a eficiência do silicato e carbonato de cálcio no controle da severidade de Phakopsora pachyrhizi. Coletou-se amostras de um Neossolo Quartzarênico Órtico típico, sob mata natural, as quais foram previamente fertilizadas (N, P, K e
micronutrientes). Acondicionando-se 200 kg do solo em tambores de 250 litros. Aplicou-se superficialmente o equivalente a 0, 1500, 3000 6000 e 12000 kg ha-1 de CaCO3 e CaSiO3 num DBC com 4 repetições. Cultivou-se, nos tambores, soja (previamente inoculada). Avaliou-se a incidênca de Phakopsora pachyrhizi (ferrugem asiática) na soja aos 47, 66 e aos 79 dias após a emergência. A aplicação de carbonato e silicato de cálcio no solo cultivado com soja, não foi eficiente na redução da severidade de Phakopsora pachyrhizi.

Publicado
2020-12-08