Correção da acidez do solo em profundidade através do uso de carbonatos, silicatos e casca de arroz em lisímetros

Antonio Nolla; Leandro Bochi da Silva Volk; Antonio Saraiva Muniz; Tiago Roque Benetoli da Silva

  • Antonio Nolla
  • Leandro Bochi da Silva Volk
  • Antonio Saraiva Muniz
  • Tiago Roque Benetoli da Silva
Palavras-chave: Alumínio trocável; subsuperfície; resíduos siderúrgicos; restos culturais.

Resumo

A acidez do solo é um fator limitante na produção agrícola. O calcário é o corretivo mais utilizado, porém tem lenta mobilidade no perfil do solo. Os silicatos podem ser mais eficientes que o calcário na correção da acidez devido à maior reatividade. A casca de arroz também pode ser usada na correção da acidez do solo e na fertilização fosfatada e potássica. Objetivou-se comparar o efeito da aplicação superficial de calcário, silicatos e casca de arroz quanto à capacidade de fornecer nutrientes e corrigir a acidez do solo. Amostras de um solo arenoso ácido sob mata natural, foram incubadas por 40 dias em lisímetros de 10 x 60cm, incorporando-se (0-5 cm) 500 e 1000 kg ha-1 de silicato de cálcio, calcário e casca de arroz carbonizada. Posteriormente, as colunas foram desmontadas,
separando-se o solo de cada anel (5 em 5 cm). Analisou-se pH-H2O, CaCl2 e SMP, Ca, Mg e Al trocáveis. O calcário corrigiu a acidez do solo e forneceu cálcio até 15 cm. O silicato de cálcio foi mais eficiente que o calcário na correção da acidez e no fornecimento de cálcio e magnésio até 25 cm. A casca de arroz foi eficiente na fertilização cálcica e magnesiana.

Publicado
2020-12-08